PROFº ADEMIR DA COSTA

quarta-feira, 1 de julho de 2009

ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA


O capítulo IV referente ao ensinar a identidade terrena, leva em consideração os seguintes aspectos:
O reconhecimento da identidade terrena e desenvolvimento da era planetária devem ser objetivos da educação do futuro. A escola deve ensinar a história da ordem planetária no século XXI, que se inicia com a comunicação entre os países, mostrando que todos os seres humanos, devem partilhar os mesmos problemas.
Devemos mostrar que o século XX deixou correntes de reação, tais como:
a) Movimento ecológico em reação a degradação do meio ambiente;
b) Busca da vida poética, dedicada ao amor, à admiração, à paixão em reação a vida puramente utilitária;
c) Resistência ao consumismo;
d) Relações humanas e solidárias em reação à tirania do dinheiro;
e) Pacificação das almas e das mentes em reação ao desencadeamento da violência.
Em síntese, destaca Edgar Morin, que existe, neste momento, um destino comum para todos os seres humanos. O crescimento da ameaça ao homem e ao planeta se expande em vez de diminuir: a ameaça nuclear, a ameaça ecológica, a degradação da vida planetária. Ainda que haja uma tomada de consciência de todos esses problemas, ela é tímida e não conduziu ainda a nenhuma decisão efetiva. Por isso, faz-se urgente a construção de uma consciência planetária. Daqui para frente, existem, sobretudo, os perigos de vida e morte para a humanidade, como a ameaça da arma nuclear, como a ameaça ecológica, como o desencadeamento dos nacionalismos acentuados pelas religiões. É preciso mostrar que a humanidade vive agora uma comunidade de destino comum.

Nenhum comentário: